terça-feira, 19 de abril de 2011

O caminho mais curtinho para chegar ao céu...

... é através da amizade!


Amigo JPII: conheça a bela história de amizade entre Wanda e o Papa

Leonardo Meira - Da Redação
                                                                                                
Wanda Poltawska com o marido Andrzej, grande filósofo polonês, em audiência privada com João Paulo II

João Paulo II tornou-se o grande amigo da humanidade ao longo de seus quase 27 anos de Pontificado. Também pudera: foram cerca de 100 viagens realizadas a mais de 140 países, percorrendo 1,7 milhão de quilômetros e sendo visto por quase 400 milhões de pessoas. Por trás desses números portentosos, a presença constante do diálogo de coração a coração.
Mas e quando alguém é amigo pessoal do Papa? São poucas as pessoas que podem fornecer um relato a partir desse ponto de vista. Wanda Póltawska é um dos nomes incluídos na lista. A polonesa fez parte do círculo íntimo de amigos de Karol Wojtyla (nome de batismo do primeiro papa eslavo da história da Igreja) desde a época em que ele era um jovem sacerdote.
Um testemunho bonito e impressionante, delineado por uma narrativa que envolve a cura da alma dos sofrimentos e traumas decorrentes de quatro anos em um campo de concentração nazista, incluindo ser usada como cobaia para experimentações científicas. A partir do resgate da esperança, surge a semente que deu vida a uma extraordinária e fraterna amizade que durou mais de meio século, ultrapassou os muros do Vaticano e revela um coração humano e cálido por detrás da batina branca que ficou tão conhecida mundo afora e reforçou a voz da Igreja no alvorecer do terceiro milênio.


Esse relato singular foi recolhido por Wanda no livro Diário de uma Amizade – A família Póltawski e Karol Wojtyla, editado no Brasil pela Paulus. No volume de 512 páginas, cada virada de folha transforma-se em mergulho no cerne de uma amizade que simboliza bem a missão de João Paulo II: proclamar a Misericórdia, que Cristo está presente e se importa com a realidade do homem e que a "causa de Deus é a causa do homem", como tantas vezes gostava de repetir.

Diário foge dos esquemas normais de biografias de João Paulo II. Aqui não há lugar preponderante para a história pública e cronológica do Papa. Ao contrário, o livro contém pensamentos frutos das meditações diárias que Wanda fazia após a Missa, com as posteriores observações de Wojtyla, bem como outras reflexões, apontamentos, sugestões para a vida espiritual e também uma série de correspondências, que continuaram mesmo após a eleição como Sucessor de Pedro. Mesmo assim, apenas uma parte das anotações dos cadernos-diário foi usada.

O próprio João Paulo II, que leu todos os apontamentos, foi quem sugeriu, ainda em 1993, que Wanda escrevesse suas memórias. "O Santo Padre leu todos estes textos e os aprovou. Neste livro não há uma página que não tenha sido por ele aprovada. Assim nasceu este livro: não homogêneo, não programado e não escrito para ser entregue ao prelo. Se agora coloco estes textos à disposição das pessoas, é exclusivamente porque me convenceram de que 'o povo tem o direito de conhecer os seus santos, suas vidas'. Porém, ao mesmo tempo, esta é a minha história – e isso eu não posso mudar; em certo sentido é a história da minha alma", relata Wanda na seção em que fala sobre o nascimento da obra.
E por que ler o relato de tal amizade? O Papa João Paulo II bem sabia que aí se encontrava uma grande riqueza: "Antes da já iminente morte do Santo Padre, perguntei-lhe se devia queimar estas anotações. Respondeu-me: 'Seria uma lástima'. Todavia, eu hesitava. Porém, recebi uma resposta do meu confessor: 'As vicissitudes de um santo pertencem ao povo, não são propriedade privada'; pertencem à Igreja", continua Wanda.


Wanda em Roma, enquanto reza na Praça de São Pedro


O sofrimento


Wanda Póltawska conheceu Karol Wojtyla em 1950, em Cracóvia.  Ela tinha 29 anos e ele, 30. Wojtyla era sacerdote há quatro anos, assistente espiritual dos jovens estudantes universitários, e Wanda já havia concluído seu curso de medicina e frequentava sua especialização em psicologia e psiquiatria.
Nascida em Liblino, em 1921, em uma família muito católica, Wanda teve uma infância muito serena e tranquila. Em 1939, com 18 anos, ela entrou no grupo Resistência partidária, como fizeram vários jovens do país, para defender a pátria da invasão nazista à Polônia. No entanto, ela foi descoberta, presa e enviada ao famoso campo de concentração nazista de Ravensbrück, onde passou quatro anos de verdadeiro martírio.
Além das humilhações, fome, trabalho pesado, violências físicas e morais, Wanda e outras companheiras de calvário foram escolhidas, em determinado momento, como cobaias para       uma série de experimentos científicos. Transferidas para uma espécie de enfermaria, eram submetidas a intervenções cirúrgicas, mutilações, retirada de pedaços de ossos, injeções de bactérias nas feridas para provocar infecções e gangrenas, que eram posteriormente tratadas com outros produtos químicos. Quase todas morriam uma após outra e Wanda sobreviveu quase que por milagre.

Ao se ver livre do campo de concentração, voltou a estudar, concluiu medicina, mas dentro de si continuava rodeada e atormentada por uma série de pesadelos. Sentia-se uma mulher finita, que lutava desesperadamente com os fantasmas do passado, sem conseguir derrotá-los. Tinha medo de si mesma, dos outros, da vida. Nesse contexto, os princípios cristãos que tinha recebido desde criança colidiam espantosamente com a crueldade que havia sofrido no campo.


A amizade


Wanda busca auxílio, sobretudo junto a sacerdotes, mas não encontrava nenhum disposto a escutá-la e compreender seus problemas. Em 1950, encontrou Karol Wojtyla e ficou tocada pelo fato de que era uma pessoa que a "escutava". Ele torna-se seu confessor e diretor espiritual. Wojtyla desempenhou papel crucial no processo de cura da alma de Wanda, de auxiliá-la a reencontrar a si mesma e a confiança em seus semelhantes. À medida que a conhecia melhor, Wojtyla compreendeu que aquele encontro não era casual.
Habituado a ver as coisas de um ponto de vista místico, convenceu-se de que os terríveis sofrimentos que aquela jovem sofreu e suportou não eram coisas que diziam respeito somente a ela própria. Pelo mistério do "Corpo místico de Cristo", diziam respeito a todos, em especial, talvez, a ele mesmo, que havia sido poupado da guerra. Durante os anos em que Wanda "morria" em campo, ele havia descoberto sua vocação ao sacerdócio. E, então, cabia a ele, sacerdote, a missão de "curar" as feridas que o campo havia deixado na alma daquela pessoa.

Não eram coincidências casuais, havia uma ligação, um vínculo, e essa sua convicção tornou-se, pouco a pouco, consciência. Revelou-o ele mesmo à doutora Wanda em um dos momentos mais importantes de sua existência, em 20 de outubro de 1978, quatro dias após ser eleito Pontífice da Igreja. Em uma longa e belíssima carta a Wanda, a primeira que escreveu já como Papa, quis afrontar abertamente a questão da sua amizade. Amizade que agora poderia ser mal interpretada por estranhos. Mas era uma amizade "arraigada e alicerçada em Deus, em Sua graça", como ele escreveu, e, portanto, devia continuar.
Aqui o trecho daquela carta que fala explicitamente sobre isso:

"O Senhor Jesus quis que aquilo que diversas vezes era dito, aquilo que tu mesma tinhas dito do dia após a morte de Paulo VI, tornasse-se realidade. Agradeço a Deus por ter-me dado, desta vez, tamanha paz interior – aquela paz que me faltava de modo evidente ainda em agosto – que pude viver tudo isso sem tensões. Com a confiança de que Ele e sua Mãe dirigirão tudo, também nessas relações, preocupações e responsabilidades mais pessoais. Com a convicção de que – se não seguir o chamado – também nesses relacionamentos posso estragar tudo. Compreenda que, em tudo isso, penso em ti. Há mais de vinte anos, desde quando Andrzej disse-me pela primeira vez: 'Duska esteve em Ravensbrück”, nascia na minha consciência a convicção de que Deus me dava a ti a fim de que, em um certo sentido, eu 'compensasse' aquilo que tinhas sofrido lá. E pensei: ela sofreu em meu lugar. A mim, Deus poupou-me daquela prova porque ela esteve lá. Pode-se dizer que essa convicção fosse 'irrazionale', todavia sempre esteve em mim – e permanece. Sobre essa convicção desenvolveu-se gradualmente toda a consciência da 'irmã'. E também essa pertence à dimensão de toda a vida. Também essa continua a permanecer. Minha querida Dusia! Toda aquela dimensão permanece em mim e deve permanecer em ti. Sempre esteve arraigada e alicerçada em Deus, em Sua graça – agora deve ser arraigada ainda mais".

O marido de Wanda, Andrzej, também testemunha: "A direção espiritual e a proximidade pessoal do grande sacerdote permitiram à minha mulher alcançar a harmonia e a paz, possibilitaram-lhe conciliar o trabalho pelos outros com a vida familiar e, com o passar dos anos, tornaram possível o contínuo aprofundamento e crescimento da nossa proximidade e harmonia conjugal".

São palavras que explicam de modo claro a natureza da amizade que ligou Karol Wojtyla a Wanda Póltawska. Uma amizade tão extraordinária e sublime que pode nascer e crescer somente no coração e na alma dos grandes santos.

Wanda foi curada de um grave câncer através da oração de intercessão de Padre Pio, solicitada pelo então jovem Bispo Karol Wojtyla


O milagre


Em 1962, Wanda foi alvo de um milagre operado por intercessão de São Pio de Pietrelcina, por meio da solicitação de Karol Wojtyla. Portadora de um tumor, ela estava prestes a morrer, pois os médicos não lhe davam esperanças. Wojtyla era um jovem bispo e encontrava-se em Roma para o Concílio. Ao saber da doença, escreveu imediatamente uma carta a Padre Pio, pedindo-lhe que rezasse por aquela mulher. A carta é de 17 de novembro de 1962:

Reverendíssimo Padre,
peço uma oração na intenção de uma senhora de quarenta anos e mãe de quatro filhas de Cracóvia, na Polônia (durante a última guerra passou cinco anos num campo de concentração na Alemanha), atualmente doente de modo grave de câncer e correndo o risco de perder a vida: para que Deus, pela intercessão da Santíssima Virgem, manifeste a sua misericórdia a ela e à sua família.

Em Cristo, mui grato
+ Karol Wojtyla
Bispo titular de Ombi
Vigári do Capítulo de Cracóvia - Polônia

A carta foi entregue a Padre Pio através do administrador da Casa Alívio do Sofrimento, Angelo Battisti. Padre Pio pediu a Battisti que lesse a carta para ele. Ao acabar, disse: "Angelo, a isso não se pode dizer que não". Battisti, que conhecia bem os carismas de Padre Pio, voltou a Roma surpreso e continuava se perguntando o porquê daquela frase: "A isso não se pode dizer que não". Onze dias depois, no dia 28 de novembro, ele foi encarregado de levar uma nova carta a Padre Pio. Nessa, o Bispo polonês agradecia ao sacerdote por suas orações, porque "a mulher que tinha o tumor foi curada de repente, antes de entrar na sala de cirurgia”.

Reverendíssimo Padre,
A senhora de Cracóvia, Polônia, mãe de quatro filhas, no dia 21 de novembro, antes mesmo do procedimento cirúrgico, inesperadamente recobrou a saúde. Demos graças a Deus. De coração agradeço também a ti, Reverendíssimo Padre, em nome dela, do seu marido e de toda a sua família.

Em Cristo, mui grato
+ Karol Wojtyla
Bispo titular de Ombi
Vigári do Capítulo de Cracóvia - Polônia

Um verdadeiro e chamativo milagre, também testificado pelos médicos e que chegou ao conhecimento público em 1984.



                                                                                                   
Wanda, o marido Andrzej, uma das quatro filhas e dois netos posam para foto de recordação com o Papa


O Diário

Entre os numerosos livros escritos sobre o Papa polonês, esse apresenta-se de modo à parte. A autora foi amiga e colaboradora de Wojtyla desde o fim dos anos 1950 , quando o futuro Papa era um simples sacerdote, até a morte do Pontífice.

Em junho de 2009, quando o livro foi publicado na Polônia, jornais de meio mundo suscitaram críticas e escândalos. Muitos julgaram inconveniente que o Papa tivesse cultivado uma amizade tão profunda com uma mulher a ponto de continuar a escrever-lhe cartas mesmo após sua eleição para a Sé de Pedro. Outros condenaram a doutora Póltawska, acusando-a de protagonismo e desejo de publicidade, por ter tornado públicas as cartas que deveriam permanecer em segredo e poderiam trazer problemas à causa de Beatificação, na opinião daquelas pessoas.

Como bem se sabe, nada disso aconteceu. A amizade entre Wojtyla e Wanda apenas revela a largueza de coração do Papa das mídias, que soube conservar relacionamentos puros e singelos mesmo após ser escolhido para desempenhar a missão de Pedro, de confirmar os irmãos na fé. E Wojtyla fez isso de modo brilhante: confirmou a fé dando à Igreja um coração renovado, vívido, pulsante, que proclamou a Misericórdia Divina que resgata todo o ser humano. Wanda é prova viva dessa história.

in site Canção Nova

Sem comentários: