sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Desculpem...


... mas... vou ali arejar a alma, e já volto!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Devo voltar ao "homem velho"? ( Parte II )


Devo voltar eu, ao "homem velho"?
Não! Garantidamente, não!

Jesus, amou cada um de nós até ao fim. Morreu na Cruz, por cada um de nós, pecadores!

Então, qual o meu caminho? O que fazer?
O caminho é só um, em Cristo, por Cristo e com Cristo, mesmo que para isso estejamos como que "crucificados", "martirizados" pela maldade dos outros.

A minha experiência pessoal com Cristo, é forte demais para que LHE vire as costas. Sentir JESUS, presente e Vivo na minha vida, é algo que ficou como que marcado em mim, como qualquer sinal impresso na minha pele, muito embora os sinais possam ser removidos por cirurgia... "este sinal", jamais poderá ser removido... ficou-me impresso no mais intimo do meu ser!

O que fazer, então? Creio que nada poderei fazer. Se caminham em Cristo e se comportam sem amor, nem caridade, é porque muito mais têm para caminhar e exercitar. Isso, não lhes tira responsabilidade alguma, mas dá-me a mim a vontade de continuar a rezar por eles, para que abram o seu coração ao amor de Deus, sem reservas... sem limites. Na medida que se derem a JESUS, assim receberão a Sua Graça!

Amar o pecador, não é amar o pecado! Jesus amou Judas, mesmo depois deste O ter entregue... quão grande é o amor de DEUS!!!!
 

Devo voltar ao "homem velho"?


Tinha por hábito ser muito doce, tinha por hábito ainda tudo perdoar e julgar-me a culpada dos erros e sofrimentos de terceiros. Era uma criança! Se a criança não se sente amada e desejada, tem por hábito julgar-se culpada... crê ter feito alguma maldade muito grande, para não gostarem dela assim!

Com o tempo e cresciemento, fui criando defesas... as denominadas auto-defesas! São carapaças, muralhas até... que se erguem em nosso redor. Impedem os outros de se chegarem até nós, não deixamos que ninguém nos ame, mas também ninguém se chega a nós para nos magoar! Um ser humano, dentro de uma armadura quase inviolável, ninguém passa!

Com o tempo, deixei de ser sensivel e/ou emotiva! Se alguém fosse desagradével comigo, não ficava sem resposta adequada... e era de tal forma, que não repetiam a proeza 2ª vez. Eu, era incisiva [apontava o erro sem piedade], curta [era muito directa nas minhas respostas e observações] e não olhava para trás [ não adiantava nenhum pedido de desculpas].

Um dia, abri o meu coração ao amor de DEUS e fiquei mais sensivel. Eu até o era no passado, mas mascarava-me de dura... deixei cair as minhas muralhas, as minhas "armaduras de combate"... passei a ser eu de verdade. Comovia-me agora com o sofrimento alheio. Perdoando, dava agora nova oportunidade aos outros, não só de se erguerem... como até de me pedirem perdão. A grande curiosidade que encontro... e faz-me confusão de verdade, é que o maior sofrimento que passei, foi-me provocado pela comunidade dita de Igreja. Encontrei naturalmente pessoas muitos boas, dóceis... uns verdadeiros anjos. Mas todas aquelas que me magoaram e me prejudicaram de verdade, nenhuma delas voltou atrás a pedir desculpa... fui perdoando no meu coração e no silêncio da oração!

A verdadeira diferença, encontrei-a na sociedade dita "secularizada". Mudando o meu comportamento de "auto-defesa" e "critica impiedosa", notei a mudança destes que cruzam comigo no dia-á-dia, que nem vão á Igreja, na sua maioria!

Tenho algumas questões que me inquietam, que me causam quase "urticária".

- Como queremos nós contagiar outros, a converterem-se ao amor de Deus?

- Que exemplo de comunidade, damos nós?

- Quem é o meu próximo? O pobre de África que sofre com a fome, ou o irmão que se senta ao meu lado no banco da igreja, e que eu começo logo a julgá-lo?

- Devo optar por uma postura diferente em Igreja? Ser indiferente á comunidade e demais serviços? 

- Que bem, eu pratico? Rezo pela fome no mundo e dou umas notitas num envelope, mas esqueço-me que embarco em boatos, denegrindo a imagem daquele que chega de novo á igreja?

- Que solidariedade, eu pratico? Quando faço campanhas de recolha de cobertores, mas "esqueço-me" de responder a quem me procura.

- Quem sou eu, quando prego a fraternidade e jogo os outros á indiferença?


Talvez eu seja mesmo muito sensivel e deva mudar...
Agora eu pergunto-me a mim própria; devo eu, voltar ao "homem velho"?


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

É assim tão dificil?



Disse que não continuaria, já depois de ter apresentado as minhas dificuldades e bem válidas!

Sempre acolhi com um sorriso, mesmo que as atitudes de outrém não fossem as mais correctas. Perante atrasos e faltas, tive o cuidado de não apontar o dedo... acolhia ainda com um sorriso maior. Queria antes fazer sentir a vontade de estar presente, a vontade de ser união fraterna.

Onde nós gostamos de estar, fazemos de tudo para não faltar.
A sociedade está cansada de ser mal acolhida, de ser mal recebida... de não ser respeitada enquanto ser humano. Se em Igreja, me comporto como toda a restante sociedade, então algo está mal!

Em Igreja, tenho que refletir o amor de DEUS, a Misericórdia de DEUS... a alegria, mesmo que as minhas dores me queiram fazer sucumbir! Isso é ser Rosto de Cristo! Não é fácil, portanto! Mas possivel.

Hoje ainda me procuram como referencia, queria encaminhar... poder informar, mas tudo pára numa engrenagem muito identica á da nossa sociedade. O estatuto, a imagem de quem manda e quer "assim", porque simplesmente "quer".... afasta os mais cansados e desiludidos com a vida, cuja sociedade nada lhe apresenta de novo e eficaz.

Temos obrigatóriamente, que ser diferentes! NÓS CRISTÃOS! Eu, Tu, Nós, Vós e Eles... todos temos que reflectir a imagem do Cristo Vivo, que a todos ama sem medida! Todos temos que mudar de atitude, se queremos uma Igreja Viva e Rica de alegria e esperança!


domingo, 25 de setembro de 2011

Desistir?!


 





Olhe que o seu testemunho de vida, nada tem a ver com "desistir"!
Isso foi um teste ás suas forças...


Os meus olhos estavam abertos... como uns faróis em máximos! Ouvi tudo com atenção... e no meu coração sentia a certeza de estar no caminho certo!

Louvado seja N. Senhor Jesus Cristo e Sua Mãe Maria Santissima.





quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Sim!





Nem sabia que poderia ir, mas no ultimo momento pude ir... apesar das minhas dúvidas... sem certezas nenhumas.

Eu não pertenço ali, Senhor! Olha Senhor, o que tenho vivido ali...

O que havia para fazer, deixou de haver... o tempo que eu não tinha, passei a ter... fui!
Cheguei muito perto do inicio... iriamos rezar por um dos "meus filhos espirtuais" [ podem ler mais aqui ].

O rosto mostrava-me muitos traços de sabedoria, viúvo, disse-me. Nas mãos cansadas de uma vida inteira, um punhado de memórias... recordações felizes na companhia "deste meu filho". Momentos que se registam no coração para sempre... são momentos que ficam, mesmo num colorido antigo, a preto e branco!

"Telefonou-me 2 dias antes... queria visitar-me... olhe... afinal..." - Ouvi-o com atenção e com um sorriso no rosto...

Não há "mãe" que não goste de ouvir falar bem dos seus filhos!

Após a Sagrada Comunhão, ofereci por este "meu filho" todos os possiveis beneficios espirituais do dia de hoje. - "Se Vos for agadável, Senhor!"

Se podesses escolher... ( parte II )

( caixa de musica )


Obrigada Concha e Maria Luiza!


Minhas lindas, reflecti convosco. Se um pedido meu bastasse para obter qualquer coisa que fosse...

- Pediria Paz no mundo e a destruição das armas.
- Pediria um justo pagamento dos salários.
- Pediria uma justa divisão dos bens materias... a fome acabaria.
- Pediria a união das familias.

A minha voz... é uma voz, de nada vale e não tem impacto diante os poderosos deste mundo. Peço tudo isso a N. Senhor, mas é preciso que o homem, não se feche na sua ganância.

Há muito que peço o meu presente ideal... de sonho digamos assim... e sabem o que é?

- Uma caixa de música!

Ainda não a recebi de presente, mas acredito que um dia... a receberei! É algo muito simples, não acham?!


terça-feira, 20 de setembro de 2011

Se podesses escolher... ( parte I )

o que escolherias? Qual o teu presente de sonho?

Pergunta dificil esta, hein?! Nunca havia pensado nisso... sempre me habituei a receber apenas, o que me quisessem dar. Se nada dessem, nada receberia e embora triste, não me detinha nessa tristeza... decidia-me antes a alegrar com o que viesse.

Hoje mantenho perante a vida, a mesma postura! Alegro-me com o que recebo e não me iludo com o que "gostaria" de receber. Não penso nisso, portanto!

Ninguém me colocou esta questão, foi apenas interior... por isso dei-me ao luxo de pensar nela!
Comecei então por pensar no que gosto: 

- Familia unida.
- Amigos sinceros por perto.  
- Convivio fraterno.
- Ver quem me rodeia, feliz!

Isto não é impossivel... nem muito dificil (tem dias... lol)


Adiantei-me a pensar no que preciso:

- Não sonho com carros de topo de gama.
- Não sonho com colecções de roupa e/ou sapatos.
- Não me vejo enfeitada de jóias, como uma árvore de natal.
- Não gosto de ser o centro das atenções, logo gosto de tudo muito discreto.
- Não creio que o dinheiro me faça feliz, se bem que preciso dele para pagar as contas.
- Não sinto a necessidade de ter... de possuir coisas.
Enfim... não preciso de muito para me verem sorrir. Sim. Isso gosto verdadeiramente, da alegria! Gosto de rir e de sorrir a quem se dirige a mim!

Bom... eu não descobri o que escolheria... alguém me ajuda?



Tendo Jesus por objectivo! Sempre!




A Verdadeira amizade. Pe. Fábio de Melo





Oração do Amigo. Gabriel Chalita

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Um dia looooooooooongo!


Mesmo muito longo... refeição a "desoras".... sem vontade de o fazer... pelo cansaço!

Encontrei a mesa posta, peixinho cozido com todos devidamente empratado.... parecia-me uma miragem!
Foi o melhor banquete... 

Graças a DEUS! 

Perguntei...


... a Jesus:

"Quero amar-Te mais..."
A resposta foi suave... quase imperceptivel: "Sê apenas tu!"

Senti que foi uma oração pós-comunhão deliciosa, senti uma grande generosidade que se libertava no meu coração... o que entendi?!

Para amar JESUS, não são precisas grandes obras nem desfiar orações longas... é preciso sim, ser-se autêntico, genuino... amá-LO de todo o coração, bem como falar-LHE da mesma forma, com a mesma autenticidade... sendo que por vezes... nem há palavras... dobra-se os joelhos e abre-se o coração...

Não tenho certezas absolutas quanto ao que aqui descrevo, mas é assim que O sinto, é assim que vivo JESUS! Sabê-LO próximo do pecador, é sabê-LO próximo de mim... se na Sagrada Escritura "vemos" diálogos simples, autênticos, genuinos... também hoje deverá ser assim! O JESUS daquele tempo, É o mesmo JESUS de hoje!

Silêncio!


Não, não se vai cantar o fado, nem me dói a cabeça.
As palavras são de facto preciosas... demais até, para que as mesmas sejam desperdiçadas por dá cá aquela palha.

Á 1ª todos caem, á 2ª só cai quem quer e á 3ª ... só cai quem é tolo! Não sou tola! Mesmo nada tola...

Entre o "sim", "não", "obrigada" e um cumprimento consoante a circunstância, nada mais há-de soar pelas minhas cordas vocais. Enquanto me lembrar... será assim! Queira Deus, que não me esqueça!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Pelo que discerni...

... ao longo de quase 2 anos, seria "meu filho" espiritual.

-"Geraste-os no teu coração." - Assim me faria sentir n. Senhor num determinado momento de Adoração Eucarística.

Gerar um filho no ventre é algo inexplicávelmente bom, mas gerar um filho no ventre... implica necessariamente, gerá-lo igualmente no coração. É essa gestação, que nos faz amar os filhos incondicionalmente... fazer todo e qualquer sacrifício sem pensar 2 vezes.

Este "filho apareceu-me" nas minhas orações [não só este, mas muitos mais] ... não de assalto. Senti nessa altura uma questão, á qual eu dei o meu Sim!  Desde então, rezo por "eles"... mas eu queria muito saber quem eram "eles"... foi nessa altura que perguntei a N. Senhor e... a resposta deixou-me perplexa... a medo, aceitei-os como "filhos" e a cada dia que rezo por eles, renovo o meu sim a N. Senhor. Ofereço assim, as minhas orações, as minhas dores e sofrimentos por "eles".

"Este", partiu para a casa do Pai em dia de N. Senhora das Dores e eu... não sei verbalizar o que senti no momento da noticia, custou-me a ficar de pé... mas não faria sentido para os demais presentes se a minha postura se alterasse... a custo mantive-me de pé e sem lágrimas...

Hoje, deixo aqui o pedido de uma Avé-Maria, por "este meu filho".




quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Disse-lhe que rezaria...


... por ela e pela filha, pois mereciam paz e felicidade! São pessoas boas que conheceram muito pouco a fé... têm passado por tribulações várias, não direi graves... mas dificeis de superar! Há entre as duas uma cumplicidade muito bonita... gosto delas e não sei porquê!

Homens de boa vontade - são todos aqueles que não praticando qualquer confissão religiosa, praticam o bem, promovem a paz e a justiça.

Hoje almoçámos juntas... gosto das suas partilhas e hoje não foi excepção!

A filha é maior e pede agora o Baptismo.  - "Achas isto normal?" - Ri-me e disse-lhe que sim.

- "No domingo, fui com a minha amiga á Missa..." - Sorri-lhe e esperei ouvir mais.
- "Gostei de ir á Missa... a minha amiga apresentou-me ao Padre e... começou logo a dizer que eu tinha um rosto triste... não aguentei, comecei logo a chorar. Mas á noite... não consegui dormir... lembrei-me de tanto... fartei-me de sonhar... vi a minha mãe a rir muito [já falecida], vi-me a caminhar para o hospital onde o meu pai está [em recuperação]... bem, nem sei...lembrei-me muito de uma amiga que não via há anos."

Tentei tranquilizá-la. Dei-lhe o meu testemunho... e pedi-lhe para rezar por todos eles. O sorriso da mãe, é sem dúvida uma verdadeira bênção. Aconselhei-a a visitar o pai, uma vez que várias discórdias familiares a impedem de ir, aconselhei-a a levar alguém da sua confiança, alguém que tenha tranquilidade e assim a tentar visitar o pai. Adiantei ainda que iria sentir uma força negativa para deixar de rezar e pedi-lhe para continuar...

Quanto á referida amiga... só me apetece dizer: Quão grande és Tu, Senhor!

Desempregada a receber 83,00€ de fundo desemprego e a reforma da mãe de pouco mais de 100,00€. Estava sem gás, sem comida... alimentava-se apenas com fruta e pão. Fez-se apressada e pagou o gás á amiga, levando-lhe ainda um cabaz de alimentos!

Esta mulher não sabe... mas fez como N. Senhora, pôs-se a caminho já grávida do Deus Menino... para ajudar a sua prima St.ª Isabel. Mistério da Visitação! - Foi isto que esta mulher rezou com a sua atitude, uma Dezena do Santo Terço!

Esta mulher também ainda não sabe... mas é uma filha muito amada de Deus Pai!

Depois de me auscultar...

... já tinha visto o meu Crucifixo!

Trago o meu Jesus, junto ao meu peito... não é muito grande, nem precisa... mas é o suficiente para notar a Sua Presença em cada abraço, trilha-me a pele.

Não sou doida... mas gosto desta intimidade com Ele [JESUS], sinto-O em cada abraço ao irmão e lembro-me que é Ele quem abraça o irmão através de mim.

Já nos conhecemos há muito tempo... confesso que entre nós, já se estabeleceu uma certa amizade pelo clima de confiança que se desenvolveu. Confio nos seus conselhos clinicos e obedeço-lhe!

Falámos da crise, das noticias e nem sei mais... hoje havia tempo! No fim... olhou-me em tom sério e falou na minha força animica, das minhas lutas e batalhas ganhas... olhei-o nos olhos com um sorriso, como quem recorda o passado com um olhar de esperança para um futuro bem melhor! Á saida cruzei-me com uma irmã em Cristo... demos um abraço e senti de novo o meu JESUS...

Nestes 2 dias, retive com carinho esta frase: "minha irmã, N. Senhor quis precisar de ti para completar a Sua Dolorosa Paixão." - Esclareço que nada falta á Dolorosa Paixão de Cristo, mas entende-se por esta frase que os nossos sofrimentos se unem aos de Cristo!

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Tenho rezado pela sua conversão...


...e sem saber como, juntei-os a todos diante o SS. Sacramento. Em silêncio e de joelhos, disse a N. Senhor: OlhA, agora é Contigo Senhor! Eles estão aqui... mas eu nada posso... é Contigo Senhor...

Sentei-me diante de Jesus e pedi-LHE uma palavra, a Sua Palavra. Abri a Sagrada Escritura e li:

"Ez 9, 8-11

O profeta intercede, mas em vão

8E sucedeu que, enquanto eles feriam, eu fiquei no meu lugar, caí de rosto por terra e gritei: «Ah! Senhor Deus, vais exterminar tudo o que resta de Israel, desencadeando o teu furor sobre Jerusalém?»
9Ele disse-me: «O pecado da casa de Israel e de Judá é enorme; a terra está cheia de sangue e a cidade, de violência; porque eles dizem: ‘O Senhor abandonou a terra e o Senhor não vê.’ 10Pois bem, Eu não terei um olhar de misericórdia, Eu não os pouparei; farei recair as suas obras sobre as suas cabeças.» 11E então, o homem que vestia de branco e que tinha na cintura os apetrechos de escriba veio prestar contas, nestes termos: «Fiz o que me mandaste.» "

No 1º instante... confesso que não entendi esta leitura (e talvez ainda não a entenda), senti algum desconsolo... julguei estar a fazer o que era certo e no fim de contas... o titulo deixara-me atónita. Fechei a Sagrada Escritura e deixei-me ficar diante de Jesus... em silêncio... eles foram saindo, 1 por 1... antes de sair... ajoelhei-me e disse-LHE: "Olha Jesus, tal e qual como naquele dia, hoje repito: Sim. Entrego-me por eles. Seja feita a V. vontade."

Queria dizer-lhes algo... uma palavra que os chocalhasse... sei lá, qualquer coisa... mas não tinha nada para dizer-lhes, fiquei então em silencio.

Ao fim de 33horas, sem saber porquê... vi-me acometida de dores lancinantes... impossibilitada dos mais básicos movimentos... entre lágrimas e gemidos expontaneos... e num quase... desfalecimento, em silêncio disse-LHE: "Ofereço-TE pela conversão dos pecadores e por eles..." e fui repetindo por diversas vezes até ser socorrida! Durante horas, ás quais lhe perdi a noção... vi-me privada de tudo... de tudo mesmo!

Não tenho explicação, nem ninguém ma deu... porque também não a devem ter!

Eu repito:

"Seja feita a V. vontade!"