segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Moeda a moeda...


... para estar com Jesus!

Sei muito bem, que necessito ir encher o meu "depósito" á Fonte, em Igreja!

Esta crise generalizada, veio trazer muitas mudanças... muitos cortes nos diversos gastos, e eu não fujo á regra!

Ocorreu-me recorrer á matemática e fiz contas... 2,00€ por dia, ou apenas 1€... teria de fazer esse pequeno gesto e tenho feito! O resultado? Muito positivo!



O Serviço!


O Pe. falou do serviço. Estar ao serviço dos outros, amar o outro estando ao seu serviço, em gesto de humildade! Eu, não tenho estado em "serviço", pelo menos na linha da frente. Rezo assim pelos que lá estão.

Por motivos vários, entreguei hoje o que me havia sido confiado, enquanto estive ao serviço! Procurei quem coordena... e inventariei tudo o que devolvi. A resposta surpreendeu-me: - "Precisamos de ti!"

Ouvi com atenção todos os progressos que têm feito, ouvi ainda as várias necessidades... argumentei em minha defesa, com verdade e sem entrar em detalhes. Só Deus sabe o que virá!

E porque em mim, só ainda estava Jesus... sai e fui comer! Calmamente digeri aqueles alimentos... voltei a entrar e... Adorava-se JESUS!

No ultimo banco, ajoelhei-me... peguei no meu terço e pedi por aquele que está doente nesta hora, filho amado de JESUS! No meu coração, ecoavam as promessas matrimoniais... promessas essas, que nunca perdi de vista! O que senti naquela hora, é que apesar de "tudo", não devo nunca perder de "vista", estas promessas.   

No fim do terço, alguém me ofereceu a oração do Magnificat... rezei-a em forma de conclusão do terço. Abri a Sagrada Escritura, e surpresa total... de novo o mesmo Salmo (Sl 139(138)) - da Bíblia dos Capuchinhos. Devo abandonar-me a N. Senhor, é este o meu caminho...

Irromperam a cantar em alta voz:   Eis-me aqui Senhor... o meu coração é para Ti... - as lágrimas caíram no mesmo tom em que cantavam!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Providência Divina!


No dia em que o Pe. me disse, que N. Senhor me tinha dado um grande dom, o dom de me abandonar à Sua vontade, não entendi...

Ontem precisava de algo para o meu dia-á-dia, procurei... mas voltei de mãos vazias, sabe Deus porquê.
O dia a acabar e eu ainda a precisar... ao inicio da noite, foi-me ofertado!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Oração Pós-Comunhão!



Disse-LHE que O queria amar mais, que queria ser D'Ele.... que sim, que me entregava por eles, sómente por amor a Ele!

No dia seguinte Deu-me a conhecer mais um filho... uma filha muito amada, a quem N. Senhor quer consolar, curar e trazer de novo á vida! Assim saiba eu cumprir a minha parte...


terça-feira, 25 de outubro de 2011

Com idade suficiente...


... para ser minha mãe, contou-me as suas dificuldades nos primeiros anos de casada. Uma história bonita, mas com várias dores pelo meio.

Ouvi-a com carinho... aprecio de verdade estes momentos. Um almoço tranquilo e em espaço privado...

Foi amor á primeira vista, contou.
- "Não eramos experientes na vida, nem eu... nem ele..."  Embrulhou-se-lhe a voz e adiantou: -"era virgem, entendes? Acreditas que já depois do casamento consumado, eu achava que ainda era virgem? Ai que tapadinha... não sabia mesmo nada. Foi o médico que nos explicou, que ao perder a virgindade, não teria necessariamente que haver rompimento do hímen. Descobrimos que estava grávida!"

Ouvi-a com atenção e com muita ternura... o marido batia-lhe, nos primeiros anos de casada. Havia crescido nesse ambiente violento, era o que conhecia... a mãe dela, encorajava-a a ficar casada, assegurava-lhe que ele mudaria. O filho, teria apenas uns 7 anos... ao vêr o pai a querer agredir a mãe, fez-lhe um ultimato, prometeu colocá-lo [ao pai] na rua. O pai parou... saiu porta fora... voltou ao fim de algumas horas e remédio santo, nunca mais lhe levantou a mão.

Esposa de um homem só! Foi o que pensei durante a nossa conversa... com tantos anos de diferença, senti-me igual [excepto na agressão e alguns conhecimentos]. Também nunca tive ninguém que me preparasse para a vida... fui sempre atenta, curiosa e prudente. Aprendi muito sobre a reprodução humana, em ciencias e saude. No fundo, funcionou como educação sexual! Não entendo por isso, porque hoje tantos se opõem... o saber cientifico não ocupa lugar! Saber como funciona o nosso corpo é um bem inestimável, já a formação moral... essa vem de casa, desde o berço! Será que é disto que têm medo? É que dá trabalho?!

Recordo o meu tempo de gestação, houve um momento que me senti "ofendida"... as enfermeiras, deram-me um formulário que deveria preencher criteriosamente. Encontrava-me só com o meu bebé [na bariga], já não recordo quantas perguntas tinha aquele questionário... mas recordo bem, as questões que me chocaram: 

 - Quantos parceiros teve? 
 - Com que idade iniciou a sua vida sexual?

Havia mais... mas estas duas questões, ofenderam-me! Gritei em silêncio, com vontade de rasgar aquilo tudo... respondi com sinceridade, mas contrariada! Afinal, eu sempre fui esposa de um homem só!

Mesmo sem nunca ninguém me preparar para a vida, decidi desde muito cedo, que só "me levaria" quem de facto me merecesse! Foi o que fiz!

Nestes tempos de facilidades e facilitismos, o que está errado, assim como há trinta anos atrás... é quem deve cuidar de preparar para a vida, demitir-se dessa função! É esta a minha opinião... não sei se valerá alguma coisa, nem se terá impacto algum dia... mas sempre tracei o meu caminho, sem curvas, sem desvios... não foi de todo fácil, mas é possivel! Houve dor, lágrimas, solidão e noite escura... mas tudo isso me fez mais forte, mais capaz, mais fiel aos meus principios morais, dos quais não abro mão!  

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Assim mesmo...


... exausta até aos ossos, venho aqui dizer: Bom-dia!

A queda!


Caiu desamparado, escorregou-lhe a canadiana (muleta), disse. Juntos, cada um ajudou-o a levantar-se... a perna que tinha ficado dobrada, o corpo pesado naquele espaço pequeno...

- Calma! - Adiantei-lhe. - Com Calma, vamos lá... devagar.

Aos poucos, foi-se virando... sentou-se ainda no chão, com a nossa ajuda, e com  a nossa ajuda colocou-se de pé e caminhou só, com a sua canadiana (muleta).  A santa Missa começou!

Creio que comunidade é isto mesmo! A entre-ajuda, o ajudar a levantar, o deixar caminhar...



 

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Sacramento da Reconciliação.



Disse-me:

- "Oh, mãe!!! Eu não quero cofessar-me a outro padre! Porquê mãe? Porquê mãe, não me ouves?"

Ouvi bem as suas questões, e... as suas também são as minhas questões! Respondi-lhe apenas: "Padre, é padre. Habitua-te a confessar-te a qualquer padre!"

- "Mãeeee! O padre disse os meus pecados, e depois perguntou-me se era isso que eu queria confessar?! - Abri os meus olhos de espanto e argumentei:

-Diz-me, além do que o padre disse, tinhas mais algum "pecado" para confessar? - "Não, mãe!"
-Diz-me ainda, o padre deu-te a absolvição e penitência? - "Sim."
-Então cumpre a penitência e o Sacramento da Reconciliação estará completo!

O que eu não disse; foi que também eu me senti "mal confessada"... ás questões que coloquei, não me foi dada qualquer direcção espiritual...

Peço a N. Senhor, que me ilumine e guie até encontrar novo confessor...

5 Anos!


Faz este mês, 5 anos que regressei á casa do Pai.
Não recordo o dia do mês, mas recordo o dia da semana - Segunda-feira!

Neste momento, venho aqui reflectir em tudo o que mudou na minha vida... no meu caminho.
Olhando para trás... posso dizer que uma unica mudança, é verdadeiramente importante: - Abrir o coração a Jesus!
N. Senhor, desde o inicio que me tirou todas as minhas certezas e "eu quero"...podou cada "galho" meu, como quem poda uma videira, não para que esta morra, mas antes para que dê mais fruto! 

A acção de N. Senhor é tão forte, tão real na minha vida... que nem as injurias, os falsos testemunhos, ameaças, difamações e afins... são suficientes para me afastar do caminho de DEUS Pai, que é um Pai de Amor!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Eu não desisto!


Venho aqui gritar que, EU NÃO DESISTO! Ok?

Não sou pessoa de desistir, posso aguardar pacientemente a minha vez... ficar em compasso de espera, mas não desisto, nunca desisti... de mim, dos meus sonhos, dos meus objectivos!

Eu luto e continuarei a lutar, até ser a hora de parar!

Hoje...


... sinto-me assim! Parece que fui atropelada por um cilindro!!!!
Bolas! Estou de rastos... e hoje, à semelhança de toda a semana, vai ser um dia longo!

HELP!!!

domingo, 16 de outubro de 2011

Desculpem... é Cansaço Extremo...


...o que eu sinto! Apenas 3 horas de sono efectivo e muitaaaaaaaaaaaas a trabalhar!


Acho que vou adormecer a qualquer momento... em qualquer lado... e ainda tenho tanto pela frente!!!!!!!

Oh, Deus!!!!!!!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Eu Pedi! ( Parte III )

Continuação



 Certamente já todos nós passámos por momento de sede. Momentos em que não temos água por perto, ou então por necessidade de exames clinicos, entre outros.

 Eu já passei sede, de forma a sentir os lábios a arder... na hora em que me foi dada água, oh que maravilha... que satisfação, parece que o nosso organismo ganha novo vigor.

Foi isso que pedi a Deus, desta vez. Não, não LHE pedi um copo de água... pedi antes, a graça de poder "dar o ultimo copo de água", a quem tanto devo. Não serei porventura aguadeira alguma... explico antes o sentido.

"Dar o ultimo copo de água", significa serviço. O serviço que se presta por caridade, amizade e/ou gratidão. Não será de facto o momento mais agradável, que desejamos... nem sequer de grande entusiasmo, mas é isso mesmo que eu pedi a DEUS.

Pedi exactamente a DEUS, não estar presente nos momentos de alegria, de sucesso... mas antes, naqueles momentos em que só os amigos verdadeiros e fiéis permanecem... foi isso que pedi! Quando até as faculdades mais básicas falham e em tudo se depende dos outros... é nesses momentos que farei questão de me fazer presente, de servir... em sinal de gratidão pura, sem nada mais esperar em troca!

Como e quando? Isso é tarefa de Deus Pai, que é um Pai Misericordioso, eu apenas LHE pedi! Talvez até nunca precisem de nada...

----------

Patilho aqui, a musica que o meu coração cantou logo ao despertar!



quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Eu Pedi! ( Parte II )

(Continuação)



  No dia em que decidi regressar a Casa do Pai, senti-me na realidade a viver o papel do filho pródigo, quando este se decide a regressar a casa. Ali, na igreja... foram-me dadas vestes novas [Sacramento da Reconciliação], foi-me colocado um anel no dedo [o meu compromisso com JESUS] e... houve uma enorme festa... com direito a Banquete [Banquete da Palavra] e a belíssimos presentes [aqui perdoem-me, mas não especifico quais, apenas realço que são apenas ferramentas para a caminhada em Cristo].

 Dava agora inicio a um processo de restauração, com a oração de quem me havia recebido em nome de JESUS, com o seu trabalho perseverante e até cuidado [o cuidado de quem encaminha, de quem ouve,  aconselha, ensina e incentiva]. Esta restauração de que falo... é na verdade mais um Ressuscitar, para a alegria da vida, que é um verdadeiro Dom de Deus.

 Foi aqui que JESUS, aconteceu na minha vida! Quando digo acontecer... foi quando O senti Vivo e Presente na minha vida... não que Ele me tivesse abandonado até então, mas eu não O conseguia ouvir e sentir...

 Depois de ter "renascido", foi tempo de reconhecer a presença de Deus em todo o meu caminho, surpreendentemente... ELE esteve sempre lá, comoveu-me sentir que nunca caminhei sózinha... e muitas das vezes, caminhei ao Seu colo...

 Quando sentimos que irmãos de caminhada, nos levaram a "vêr" Cristo, a "ouvi-LO"... a senti-LO na nossa vida, percebemos que nunca lhe conseguiremos agradecer, que nada será suficientemente comparável ao que fizeram por nós. 

 Ao chegar a este ponto, pedi a Deus a Graça de poder um dia retribuir-lhes... 


( continua )



segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Eu pedi! (Parte I)


Sempre pedi muito a Deus! Confesso-me uma grande "pedinchona"... tem a sua graça. Eu explico!

Durante algum tempo, vivi afastada de Deus. Não me zanguei com a igreja e muito menos com Deus, mas não sentia a "fé", não vivia JESUS, limitava-me apenas a cumprir um preceito - ir á Missa de Domingo.

Não sei explicar como não conseguia viver JESUS, muito menos como não conseguia sentir a "fé". A dor e o sofrimento cresciam a par com a minha revolta, uma revolta com a humanidade, com o mundo... tudo me parecia grande demais para mim.

De personalidade reservada, pacata e tímida, muitos dos meus diálogos eram feitos com DEUS, apenas com ELE. Nesse tempo, nunca o ouvi... ou melhor, nunca "baixei o som do meu coração, para O poder ouvir."

Sozinha, sofrida e revoltada, era assim que eu era! Falava com Deus, como se de um amigo se tratasse... assim, num "tu cá, tu lá", falava-LHE então das minhas dores, da minha revolta, da minha solidão... perguntava-LHE se aquilo era normal, se tinha mesmo de ser assim... pedia-LHE que agisse e... reconheço que LHE pedi muito, muito mesmo... muitos impossiveis. A cada pedido que LHE fazia, não via de facto nada a acontecer... muito pelo contrário, parecia-me ter sido esquecida também por DEUS! Doía mais sentir-me esquecida por Deus, do que pelos meus familiares.

Fiz o caminho do filho pródigo. Peguei na minha parte e afastei-me  da Casa do Pai [ainda assim falava-LHE], gastei o pouco que tinha comigo e passei fome... a fome de DEUS, a fome da Palavra de Deus e do Seu Pão Sagrado, que é verdadeiramente o Seu Corpo e Sangue.


(continua)




quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Sou intolerante à dor!


Confesso que sou intolerante à dor. Não importa onde... mas não a suporto durante muito tempo. 
Não sei se sou fraca demais, ou se a dor é forte demais... mas desde que me lembro de existir, que tenho este "contacto" com a dor. Tira-me as forças e energia... recorro então a medicamentos, vezes há que as medidas são mais drásticas e chega a haver necessidade de o medicamento ser administrado por via intravenosa. Talvez a dor seja mesmo muito forte...

Hoje mal pus os pés fora da cama, foi como que se estes ligassem o "on" da dor... e tão forte novamente!!! Se não fossem as minhas muitas obrigações, teria cedido [não gosto de ceder, de parar, de me render assim de mão beijada, dou luta]... muito antes do pequeno almoço, tomava em jejum o medicamento (abençoado medicamento), nunca me questionei porquê a mim? 

Dentro da minha intolerância, tolero-a [dor], já lá iam algumas semanas que nada tinha... hoje, sem conseguir rezar logo pela manhã [palavra que isto me tira do sério, as forças, a energia, o animo... só não me tira a vontade de continuar.], ofereci tudo a N. Senhor, pelas minhas intenções.
Assim espero que LHE seja agradável.