segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Eu pedi! (Parte I)


Sempre pedi muito a Deus! Confesso-me uma grande "pedinchona"... tem a sua graça. Eu explico!

Durante algum tempo, vivi afastada de Deus. Não me zanguei com a igreja e muito menos com Deus, mas não sentia a "fé", não vivia JESUS, limitava-me apenas a cumprir um preceito - ir á Missa de Domingo.

Não sei explicar como não conseguia viver JESUS, muito menos como não conseguia sentir a "fé". A dor e o sofrimento cresciam a par com a minha revolta, uma revolta com a humanidade, com o mundo... tudo me parecia grande demais para mim.

De personalidade reservada, pacata e tímida, muitos dos meus diálogos eram feitos com DEUS, apenas com ELE. Nesse tempo, nunca o ouvi... ou melhor, nunca "baixei o som do meu coração, para O poder ouvir."

Sozinha, sofrida e revoltada, era assim que eu era! Falava com Deus, como se de um amigo se tratasse... assim, num "tu cá, tu lá", falava-LHE então das minhas dores, da minha revolta, da minha solidão... perguntava-LHE se aquilo era normal, se tinha mesmo de ser assim... pedia-LHE que agisse e... reconheço que LHE pedi muito, muito mesmo... muitos impossiveis. A cada pedido que LHE fazia, não via de facto nada a acontecer... muito pelo contrário, parecia-me ter sido esquecida também por DEUS! Doía mais sentir-me esquecida por Deus, do que pelos meus familiares.

Fiz o caminho do filho pródigo. Peguei na minha parte e afastei-me  da Casa do Pai [ainda assim falava-LHE], gastei o pouco que tinha comigo e passei fome... a fome de DEUS, a fome da Palavra de Deus e do Seu Pão Sagrado, que é verdadeiramente o Seu Corpo e Sangue.


(continua)




Sem comentários: