terça-feira, 17 de janeiro de 2012

É Grave Prestar Serviço na Igreja? (Parte III)


Continuação


Reparar em famílias que eram verdadeiros portos de abrigo, creio que já foi um grande passo... mas daí a acreditar que era possível, eu ter uma família... que fosse esse porto de abrigo, era talvez arrojado demais.

Talvez, muitos me vejam como uma mulher obstinada... mas sou antes, decidida! Escolho, quero e vou à luta... mesmo que para isso, me veja dolorosamente só!

Quando a minha voz já se fazia ouvir, comecei por fazer as minhas próprias escolhas e sabia bem o que queria. Com uma estranha certeza, afirmava que o melhor de mim estaria guardado para quem realmente o merecesse. Muitos foram os que se sentiram afrontados com tamanha determinação, até mesmo aqueles que pela lei da natureza, me deveriam ensinar a escolher o melhor... até esses se sentiam afrontados... humilhando-me com palavras e actos, deixaram-me abandonada à minha sorte... parti só!

Ao meu redor, tinha uma imensa solidão... um vazio gélido e pesado demais. Aproximou-se de mim um punhado de gente boa, como que montaram guarda em meu redor... muitas vezes me questionei, se valeria a pena tão grande luta por aquilo que quase ninguém parecia acreditar! A trabalhar honestamente, com um vencimento parco, deitei a mão a tudo o que me desse mais algum rendimento, de forma honesta. 

Com cada gota do meu suor, fiz o meu humilde enxoval, paguei o meu vestido de noiva - branco, simples, mas muuuuito bonito. Paguei a passadeira vermelha na Igreja, a marcha nupcial... e o Padre ofereceu o valor do processo de casamento. 

Hoje vejo, o que na altura me era completamente invisível...

É possível florescerem flores em pântanos! Com a Graça de Deus, foi possível aguentar todas as dificuldades, passar por provações, momentos de verdadeira noite escura... acreditando sempre, que era possível construir no meio de escombros... não por vã glória, nem por qualquer outro tipo de afronta... mas porque, era isso que eu sentia dentro de mim, era isso que eu desejava desde sempre: Uma família que fosse um verdadeiro porto de abrigo. 

O que semeei, foi regado com muitas lágrimas... e o que eu quero colher lá mais à frente, são flores bonitas, num jardim muito mais bonito. Assim sendo, seria grave deixar para trás o muito que Deus me confiou, e esse muito é a minha família, que tanto amo! Talvez alguém seja teimoso, por não se deixar encontrar por Jesus... mas um teimoso, não teima sozinho... 

Porque N. Senhor me protegeu tanto? Não sei... mas aceito com gratidão!

Estas partilhas, foram escritas ao som da Irmã Glenda, por isso acredito que foram bem rezadas. Já se viu, que não abro mão daquilo em que acredito, que quero e sei que é bom não só para mim, mas para com todos os que comigo cruzam!


4 comentários:

Ailime disse...

Maria,
À medida que lia o seu testemunho de Vida e Fé (arrepiei-me) pela intensidade do seu querer apesar de tantos obstáculos.
Encontrei pontos em comum! Muitas interrogações e faltas de afecto aconteceram na minha vida.
Quando se deu o encontro com o meu marido (e já lá vão muitos anos) muitas situações aconteceram mas com determinação e a ajuda de Nosso Senhor fui ultrapassando e continuo firme na certeza de que Jesus e Maria me continuarão a ajudar no meu percurso de vida.
Quando há sofrimentos e quando subimos a vida a pulso temos a vantagem de poder apreciar tudo o que de mais simples a vida nos oferece. E há tantas coisas boas no meio dos nossos caminhos….
Demos graças a Deus por isso.
Desejo que tudo em si se realize como deseja e merece (porque nós merecemos todos o melhor).
Essas flores bonitas já estão a dar os seus frutos.
E Deus é nossa Luz e Salvação.
Beijinho fraterno.
Ailime

Filha de Maria disse...

Amiga Ailime;

Não assino como Maria, mas como Filha de Maria.

Grata pelas suas palavras. O que mais me arrepia a mim, é durante um certo periodo de tempo, estive afastada da Igreja, mas ainda assim "lutava" pelo que eu acreditava ser certo... é aqui que percebo, a imensidão do Amor e Graça de Deus, que sempre me protegeu colocando no meu caminho, as pessoas certas, nos momentos indicados. Comove-me esta procura incessante do Pai, pelos seus filhos...


Beijinho fraterno.

P.S.: O que não nos mata, faz-nos mais fortes. O sabor das conquistas feitas, com lutas e dificuldades, tem um sabor especial.

Utilia Ferrão disse...

"Talvez, muitos me vejam como uma mulher obstinada... mas sou antes, decidida! Escolho, quero e vou à luta... mesmo que para isso, me veja dolorosamente só!
Quem não vai à luta nunca saberá o que é vencer ou vencer-se.
Obrigada amiga por esta partilha tão bela, que Deus te cubra de bênçãos.
Utilia Ferrão

Filha de Maria disse...

Amiga Utilia;

Quem agradece sou eu, que nesta hora caminho "às escuras". É esta a hora de agarrar-me à certeza que Deus N. Senhor, nunca nos abandona. É preciso remexer na nossa história e verificar toda a presença de Deus na nossa vida, até mesmo quando nós nos afastamos D'Ele.

Beijinho fraterno