quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Esoterismo - A voz de quem luta diariamente contra os seus malefícios. (Parte III)

Continuação


Durante os exorcismos, o diabo que no inicio se apresenta camuflado, tem obrigatoriamente que se revelar, mostrando todo o seu furor.

A acção do demónio divide-se em dois tipos:

1º - Acção ordinária - tentar o homem a praticar o mal.

2º - Acção extraordinária: 
       - Infestação.
       - Possessão.
       - Opressão, etc

A acção extraordinária do demónio, está em grande expansão, por causa das práticas esotéricas, supersticiosas, tarot, adivinhações,  festas de haloween, etc...

O orador explicava a dada altura, que o haloween não é apenas uma brincadeira de crianças de "doces ou travessuras", é por sinal, muito mais que isso, é o festejar o macabro, o horrível... o medo.

Esoterismo - Ritos, formulas, simbologias escondidas, que só devem ser revelados a alguns, para chegar à parte "oculta" de si e das coisas. Tal prática desenvolve-se por um mestre, que vai introduzindo os iniciados. Quem o [oculto] conhece e o possui, tem a chave para abrir o cofre dos mistérios, do homem e do universo. Assim sendo, pela posse dessas forças, seriamos então donos delas.

Ocultismo - É a prática do esoterismo. Os eleitos, escolhidos ou iniciados, só a esses é revelada a prática desses ritos/rituais mais secretos. Logo como são poucos, sentem-se superiores ao resto da humanidade.  Quem se opõe ao esoterismo, é considerado obscurantista. 

No esoterismo; o homem é iluminado pela posse dos segredos. Quem é detentor da posse desses segredos e que pratica, é considerado iluminado. 

Cristianismo; o homem é salvo por Cristo e iluminado por ELE!

Assim como há fenómenos naturais, também há fenómenos paranormais. Se há levitação e outros fenómenos com origem de Deus (alguns exemplos na vida dos santos), também há com origem demoníaca, e nesta ultima há um apreço gradual pela auto-destruição. Esta explicação surge, após a questão das eventuais melhoras que várias pessoas relatam, quando consultam videntes, bruxos, etc.

O orador afirmava uma vez mais, que o demónio é o pai da mentira. Pela sua forma ardilosa e sedutora, sim "isca" as pessoas com um engodo, mas não será mais do que isso, pois o que ele na verdade quer, é a perdição das almas. Sim, é verdade que muitos recebem curas (pseudo-curas), que ouvem as vozes de entes queridos e que até relatam aquilo que só eles mesmos sabem existir, mas é sempre o demónio, é sempre o demónio que fala, tomando o timbre do ente querido. No caso das "curas", quando a pessoa já está bem presa a estas práticas supersticiosas, costuma piorar... muito até. 

(continua)



Sem comentários: