quinta-feira, 31 de maio de 2012

O Sentido de Humor de Jesus...



Certo dia, ouvi alguém dizer que JESUS deveria ter um sentido de humor incrível... na altura, fiquei a pensar no assunto e achei que deveria ser verdade!

Quando eu digo a JESUS, Olha Senhor, eu não quero "isto"... é isso mesmo que Ele me dá...

Em dia de Pentecostes, fiz o que havia sentido ser chamada a fazer, mesmo contrariada e com um montão de desculpas na minha cabeça... acabei por cumprir, o que eu acreditei ser inspiração do Espírito Santo.

Acabei por ser confrontada, e na verdade, para a mesma situação podemos dar-lhe mais do que um nome, mais do que uma descrição... basta para isso, que vejamos sob perspectivas diferentes... e adiantaram ainda:

- "Aparece...!"

Esclareci apenas um termo utilizado, e nada mais acrescentei. Pensei para comigo mesma: "nunca mais apareço... enquanto me lembrar, não o farei. Não quero este tipo de coisas, mais vezes... pelo menos, enquanto for eu a escolher..."

Alguns dias depois, eu continuei sem aparecer e... como diz o velho ditado: "se maomé não vai á montanha, vai a montanha a maomé..." e acho, que o que aconteceu ali... foi uma "grande partida de JESUS"... e quase sorri... mas uma vez mais, prendi o sorriso, e vou prendê-lo muitas mais vezes... a sério que vou! Apesar de tudo há distâncias que pretendo manter... e corro o risco de ir contra a vontade do Espirito Santo.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Um dia...


... logo após o meu testemunho, do que tinha sido a minha presença numa determinada acção de Evangelização e de ter frisado a minha maneira de ser - tímida - a religiosa, agarrou-me na mão e agitou-a firmemente, dizendo-me... "tu, não és tímida... estás cheia de Deus!"

Ainda hoje, não compreendo tais palavras... mas quero acreditar nelas... a cada dia!

Louvado Seja N. Senhor Jesus Cristo e Sua Mãe, Maria Santíssima!

Abraço de Pai!





terça-feira, 22 de maio de 2012

Ensinaram-me um dia... (Parte I)


... que devia entregar tudo a JESUS!

E as suas palavras foram:

"Entrega-LHE tudo... o teu ser, todo o teu corpo... até o teu cabelo, as tuas unhas... tudo, tudo..."

E nestas palavras... havia um olhar de uma ternura imensa, não por mim... mas por JESUS!
Sinceramente, não sei o que me tocou mais... se as palavras, se o olhar... talvez as duas em conjunto... pois desejei também eu, ter aquele olhar de ternura por e para JESUS!

segunda-feira, 21 de maio de 2012

A viagem que não chegou...


á Igreja... tornou-se para mim, um verdadeiro inigma. Tentei acalmar-me... reflectir sobre... tudo!

Programei para mais tarde, a ida à Missa, numa outra Paróquia... algumas horas depois, uma amiga entrando em contacto comigo, fazia-me saber da catástrofe que se tinha dado perto de si, mas não o suficiente para se sentir em perigo... e falou-me da gratidão para com Deus!

E sabem que mais?! Senti-me muito agradecida, pelas suas palavras... pela forma como partilhou comigo esta sua vivência e adiantei-lhe que rezaria pelas vitimas, e que agradeceria a Deus... agradeceria tudo...

Certezas jamais as terei, mas porque motivo mais, ver-me-ia eu obrigada a voltar para trás, já a caminho da Missa?

A viagem para a Igreja...


... estava a ser feita, debaixo de gritos!

Há momentos em que me sinto a enlouquecer!

Porquê? Porquê? Porquê? - Era o que mais sobresaía... o atraso era tão notório, que lhes adiantei: Voltamos para trás!

Oh, Cristo! Se eu entrasse na igreja depois "daquilo", não prestaria atenção a mais nada...

Baralhada; incomodada e sem saber o real porquê de tudo aquilo, permaneci em silêncio!
Um silêncio... que não queria ser ofensa, que não queria embarcar em ofensas...

De facto, não demoraria muito a responder... há sempre algo que nos provoca por demais... e o que me provocou foi:

"Porque é que não pode comer? Não pode comer, só porque vai comer a "bolacha"?"

Adiantei-lhe, que não iria discutir esse assunto, com quem nunca foi à catequese, nem mostra qualquer interesse sério, em conhecer JESUS, nem a sua doutrina... mas pedi-lhe para se calar, para não dizer mais disparates...

Há momentos em que me apetece desistir... sinto os meus braços a "descair"!

quarta-feira, 16 de maio de 2012

segunda-feira, 14 de maio de 2012

O Coro estava alto...


... não estava no Alto Coro, mas estava alto - cantava alto de mais. Sou dura de ouvido e tenho grandes dificuldades em perceber as desafinadelas mais ligeiras...

Mas de facto, o coro não me pareceu nada bem... a dada altura, parecia que cantavam aos gritos... jamais terei a ousadia de me candidatar a um coro, não tenho qualquer apetência para o canto... e acho muito bonito quem se predispõe a tal serviço.

Enquanto me aguentava (tinha dores de cabeça) a ouvir aquele coro aos gritos.... pensava nas vezes em que rezamos, e na forma como o fazemos...

Ficou esta pergunta:

Quantas vezes, não rezamos nós aos gritos?




sexta-feira, 11 de maio de 2012

Apetecia-me...



... sentar, neste banco de jardim... deixar-me ficar de olhos fechados... respirar apenas...

Tenho uma vontade imensa de chorar... sem motivo aparente, há-de ser cansaço acumulado, sei lá...

Cansada de ver o que não gosto,
Cansada de ouvir o que não quero,
Cansada de fazer o que não me apetece,
Cansada de me sentir... como não gosto...

Olha, Senhor Jesus, entrego-te tudo... e a Ti me confio!

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Redes socias...


...ou... a sociedade em rede?!

Perturba-me o facto de tantos estarem em rede, de "partilharem" tanto... fotografias, pensamentos, estados, etc...

Que me perdoem... mas ninguém partilha nada, é um engano!
Partilhar, é amar, é fazer-se presente...

Gosto de ouvir a voz dos meus amigos, do seu abraço, rir a bandeiras despregadas ou permanecer em silencio com estes, quando a dor é imensa. Para mim, partilha é isto!

Também estou nas redes sociais, e é por isso mesmo que faço esta observação. Antigamente, os amigos e familiares falavam... se se aborreciam, faziam-no frontalmente ou deixavam de aparecer, dando a entender a sua mágoa. Hoje... publicam imagens com textos pré-escritos e partilham com a pessoa em questão... fazem-no de forma indirecta e impessoal... mostram a toda uma rede, o pior que há em si! E pior que tudo isto, fazem-no levianamente...

Hoje apeteceu-me desabafar...  :( 

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Quero caminhar...



...não apenas por caminhar.
...não de qualquer forma.
...não a qualquer custo.

Quero caminhar com sentido, com coerência e... em comunidade... 
Mas entre o que eu quero e o que eu devo fazer, vai uma grande distância...

quinta-feira, 3 de maio de 2012

"O que fizes-te tu?"


Durante grande parte da minha vida, senti-me um zero à esquerda... senti-me aquela que nada sabe, que nada é... que ninguém pensou, ou que até alguém pensasse que vingaria na vida ( que é como quem diz, alguém capaz de se sustentar e de constituir uma familia). Por serem tantos... acabei por acreditar que eu, nada era... de qualquer forma, uma força "misteriosa" dentro de mim, impelia-me a fazer, a acreditar, a lutar...

Nunca desisti de mim, dos meus ideais... de tudo quanto eu queria e desejava. Muitas vezes,  senti-me a remar contra a maré... 

Neste fim-de-semana; disse-lhes que ia fazer um ano, que não me falava... estupefactos e em unissono, perguntaram-me: "O que fizes-te tu?"

- Nada. - Respondi-lhes.
- Não faço ideia do que se passa, mas já ultrapassei a fase da incredulidade e revolta. Mas que é estranho, é... muito até!

Bombardearam-me com perguntas, questões... e a que sobresaiu mais foi:

- "Também há disso na Igreja? Cada vez acredito menos na Igreja, acredito em Deus e N. Senhora e chega...olha que realmente... nem sei porque continuas a ir á Missa, é que disso, desse tipo de tratamento, há aos montes cá fora!"

Entendi aquela revolta, pois também foi a minha... a minha vida tem sido marcada com este tipo de atitudes, verdadeiros momentos de desprezo, de indiferença... mas não me habituo a isto!

Sai do carro e respondi-lhes que sim, que ia á Missa porque acreditava na Igreja, em Deus, N. Senhora e JESUS CRISTO... o resto, não é meu... não me pertence...

Apressei o passo, a Missa ía começar! Apressei também o meu pensamento... há-de haver almas muito atribuladas, e esta... há-de ser uma dessas almas, há-de ter algum sofrimento grande... nenhuma alma curada e sã, faz isto! Ai não faz, não!