domingo, 10 de junho de 2012

Pus Batom e fui trabalhar... (Parte II)



Continuação.

Há gestos simples e inofensivos, que dificilmente nos passa pela cabeça, deixá-los de fazer.

Eu, estive um ano inteirinho sem colocar batom nos dias de trabalho!

Sem procurar ouvir conversas alheias, ouvi por providência divina, que era alvo de desconfiança por parte da minha patroa... incrédula e chocada, calei-me e rezei!

Passei anos sem olhar por mim, centrando-me apenas no meu papel de mãe, de coração atribulado e angustiado. Quando finalmente, tudo passou, comecei então a olhar por mim. Os muitos cabelos brancos, quis tapá-los... procurei então uma tonalidade que favorecesse o meu tom de pele, coloquei-me nas mãos de profissionais, o cabelo e as mãos, estavam realmente muito bonitas. Não saia de casa sem uma cor nos lábios, um leve tom nas pálpebras... tal e qual, como fazia antigamente.

Confrontada com tamanho choque, analisei-me! O que teriam visto em mim, para ser alvo de uma acusação que rebaixa tanto a mulher? O que teria eu feito?

Não encontrei nada que eu pudesse ter feito, que eu pudesse ter dito... voltei a cabeleireira e voltei a pintar o meu cabelo, no tom original... deixei de mandar arranjar as unhas, deixei de me maquilhar... e, continuei a rezar e a esperar!

Não é uma prova fácil de ultrapassar e só vários meses depois, é que arranjei coragem para falar com o meu Pároco. Ouviu-me atentamente, e falou-me do martírio dos Cristãos... explicou-me que não há só o martírio de sangue e que ainda não descobriu qual o martírio que custa mais... se aquele que nos rouba a vida de um golpe só, se aquele que nos "mata" aos poucos... pediu-me para não deixar de rezar e para continuar a entregar tudo a JESUS, para continuar a ter um coração de "ovelha", porque o Senhor, só é pastor de ovelhas, jamais de lobos.

O que eu não lhe contei, é que o meu confessor se havia recusado a ouvir-me nessa altura... não o julguei (pelo menos tentei), nem admito que ninguém o faça. Se já rezava por este, continuei a fazê-lo... muito embora me sentisse magoada. Agora... com alguma distancia no tempo, vejo que tudo isto tem o mesmo selo, o selo do mal, do inimigo... que semeia a discórdia, a desunião, a tristeza, desejando ardentemente a nossa perdição através do desespero. 

Creio que esta provação, foi ultrapassada pela Grande Graça que é Ter Jesus na nossa vida!  

Agora... pus Batom e fui trabalhar!  

4 comentários:

malu disse...

:)

É tão bonito o que nos contas aqui que fico sem jeito. A maneira como em cada coisa vais lendo o que Jesus te diz. E depois, como Lhe respondes em tudo isso.

Disse bem o Padre que te escutou e aconselhou. E assim, só mesmo como tu: Vamos pôr baton e seguir em frente! Eh eh

Um àparte aqui e não penses que sou do contra, contra a maquilhageme ou esquisita - não, não sou, mas como não sou capaz de estar quieta muito tempo, tb não gostei nunca de ir ao cabeleireiro. Arranjar as unhas, só mais na mão direita que as da esquerda preciso delas mais curtas pq gosto de ir tocando a minha guitarra e assim não se atrapalham tanto nas cordas, mas é claro que gosto de tê-las cuidadas. Agora lembras-te que ainda há poucos anos e assim que entravamos logo vinham as manicures: "Quer arranjar as unhas?" (ai meu Deus... eu só vou quando preciso cortar o cabelo...e ai que ficam fulas qd não queremos)...

E ai... que ficar tb sem me poder mexer enquanto não secam, não é bem comigo. Não quero 'despedi-las' assim, sem mais e vê-las aborrecidas, e, então um dia dou comigo a responder assim e assim e até hoje: Não obrigada, não.. é que não têm arranjo!! A cara delas :O e a risota resolve bem o assunto ;)

Bjs, muitos, em Cristo e Maria,
Malu

Ailime disse...

Amiga Filha de Maria,
Fiquei quase sem palavras ao ler este seu testemunho e mais ainda pelo facto de o seu confessor não querer ouvi-la!
Será que tem a ver com o meio em que vivemos ou mesmo com pessoas de mau caracter?
No meu caso pessoal durante quase toda a minha vida profissional tentaram sempre rebaixar-me. Vestia a "minha camisola" e entregava-me cada vez com mais afinco ao que fazia. Numa determinada altura andei doente, mas graças a Nosso Senhor consegui vencer e eis-me já de "ferias prolongadas":)). Passei a não dar importância a certas mentes…
Pois, amiga, vá em frente e não dê ouvidos a quem não merece. Entregue tudo a Jesus e Maria.
Beijinho fraterno.
Ailime

Filha de Maria disse...

Malu;

obrigada pelas tuas palavras.

Beijinho fraterno.

Filha de Maria disse...

Querida Ailime;

Em relação ao confessor, não me disse directamente que não me queria ouvir, apenas não me atendeu. Insisti apenas o que achei justo insistir e depois coloquei tudo nas mãos de Deus.

Mas ainda assim e que conste a verdade, acima de tudo; ainda assim, devo muito a este Sacerdote, pois foi pela sua mão que me deixei encontrar por JESUS!


O cerne da questão, é que no meio da angustia, não podemos desesperar, nem revoltar... pois seremos presas fáceis do inimigo de Deus!

Beijinho fraterno