quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Não gosto que se permaneça no erro!



Por vezes, a vida prega-me partidas... que é como quem diz, nem sempre faço o que quero e por isso, por vezes adapto-me às circunstâncias!

Fui à Missa, na paróquia vizinha. Quando vi entrar o coro, estremeci, recordei-me de algumas decisões infelizes, por parte deste.

No que diz respeito à Liturgia, nada é feito à toa.  

No n.º 1066 até ao nº 1209 do CIC (Catecismo da Igreja Católica), fala-nos disso mesmo.

Nº1069 - ..."a palavra liturgia significa, obra publica, serviço por parte de/ e em favor do povo..."

N.º 1191 - O canto e a música estão em conexão estreita com a acção litúrgica. São critérios do seu bom uso: a beleza expressiva da oração, a participação unânime da assembleia e o carácter sagrado da celebração.


No momento do Kyrie  - Senhor tende piedade - o mesmo foi substituído, por um cântico em crioulo. O coro cantou e a assembleia olhou!

No momento precisamente a seguir ás palavras do Sacerdote: ..."ousamos dizer como o Senhor nos ensinou...(oração do Pai-Nosso)", o coro irrompeu num cântico muito  bonito, mas que em nada tinha as palavras do Pai Nosso... senti algo parecido como um "formigueiro" no corpo... não queria acreditar no que estava a ouvir. Sabiamente, assim que se calaram, o sacerdote iniciou a oração do Pai-Nosso, levando consigo toda a assembleia.

Sabia que a Eucaristia ainda não chegara ao fim, e, achava que "aquilo" ainda não tinha acabado. Infelizmente tinha razão...

A oração do Cordeiro, foi realizada em crioulo! Já tinha assistido a algo parecido, ali... mas desta vez, foi demais. 

Acho muito bonito, que as comunidades emigrantes participem de forma activa nas paróquias, mas deve esta participação ser feita na língua natural do pais onde se encontram. A celebração Eucarística, não é um acto isolado, não é só para alguns, nem muito menos lugar de demonstrações culturais.

Saí dali impressionada. Mal impressionada... não houve "unanimidade" naquela assembleia. Houve sim, um acto ignorante e desleixado. Ignorante por parte de quem escolheu os cânticos  e, desleixo por parte do Pároco que já os devia ter avisado há muito. 

O que andamos nós a fazer, com a nossa fé?