sexta-feira, 14 de março de 2014

Tive que mexer no passado!


(imagem da net)


Era uma criança, sim, aos 10/11 anos é-se uma criança. A vida já me havia tirado muito, a vida não... as pessoas, o seu egoísmo. 

Disse apenas, ou melhor... mandou dizer que eu, não era sua filha. Assim, sem mais nada... o mundo fugiu-me dos pés, e o coração... parecia ter sido arrancado a sangue frio, sem direito a anestesia. 

Apressei-me a isolar-me... e esperei que alguém me explicasse o que se passava, afinal, era um assunto delicado, haveriam de mostrar amor e respeito por mim, haveria de alguém sentar-se junto de mim e tentar explicar-me toda aquela atrocidade. Esperei... esperei... e ainda hoje poderia esperar, se assim eu tivesse decidido ficar inerte. 

Não sei se foi rasgo de coragem, de fé, de força... ou de algo sobrenatural que em mim se operou, fui a correr buscar o mundo e coloquei-o de novo debaixo dos meus pés, apanhei o coração e voltei a guardá-lo dentro do meu peito, baixei a cabeça e em silêncio disse para mim mesma, se não sou sua filha, então tomo a decisão de me tornar sua filha, foi assim que com apenas 10/11 anos adoptei o meu pai, sem burocracia nem aval de ninguém. 

Volvidos uns 12 meses, morreu longe de mim, como há muito já estava... partiu sem revogar a sua palavra e eu, também não tive a oportunidade de lhe dizer que o tinha adoptado como pai.

Hoje quando rezo, temo que a sua alma ainda não esteja em descanso, e isso faz-me chorar. Há palavras que matam mais que uma bala... minam a vida do outro, e eu... uma criança, desejei muitas vezes a morte, o suicídio...

Um filho, é um dom de Deus confiado aos pais. Assim sendo, é preciso muito cuidado... com os dons que Deus, nos confia! 

1 comentário:

A Capela disse...

... Fica difícil comentar. que Deus nos ajude a usar os dons que nos confere no Seu Amor.

Bjs