quinta-feira, 5 de março de 2015

Dar voz, aos que a não têm!



                                                     (imagem da net- Malala)

Durante muito tempo, achei que a minha vida não fazia sentido. Sofrimento na infância, sentimento de rejeição, insegurança e falta de sucesso escolar. 

Sentia-me diferente dos meus pares. Não passeava aos fins-de-semana com os meus pais, não me referia a eles em situação alguma, nem nunca enchia a boca para dizer as palavras: "o meu pai" ou "a minha mãe". 

Todos sabemos, que nenhuma criança nasce das árvores... ou vem ao mundo de uma forma incrivelmente desconhecida. A criança vem ao mundo, porque tem um Pai e uma Mãe!

Alienação Parental - é a forma continuada, como um dos progenitores incute ódio e denigre a imagem do outro progenitor, perante o ou os filhos (explicação muito sucinta). 

Na verdade, nunca nenhuma criança irá escolher o pai ou a mãe, ela apenas quer os dois! Quando digo apenas, é mesmo em tom provocatório, a criança não só quer o Pai e a Mãe, como necessita mesmo dos dois. 

Vivemos numa sociedade descartável, tudo é provisório... até aquilo que deveria ser os alicerces da nossa sociedade, as famílias! 

Porque é que para nascer um bebé, é necessário um homem e uma mulher?

Porque é que quando extasiados, perante a deslumbrante natureza, afirmamos que "A natureza está mesmo, bem feita!" Arrisco mesmo a afirmar, que todos nós já fizemos esta observação, pelo menos uma vez. 

Se assim é, se realmente reconhecemos que a natureza está mesmo bem pensada, bem feita... porque é que continuamos a brincar com a vida das crianças?

Deus, que é Deus, o Todo Poderoso; enviou ao Mundo o Seu Filho muito amado - Jesus - a vida publica de Jesus, começou aos 30 anos, até então levou uma vida pacata e familiar... Deus, podia ou não podia enviar-nos Jesus, já adulto? Podia. Mas não era esse o seu plano salvífico, Ele queria dar-nos exemplos de vida Santificante, então enviou-nos o Seu Filho Muito Amado, sob a forma humana... quis precisar do sim de Maria, e, cumulou-a com grandes Graças... mas não a deixou só com o Menino nos Braços, Escolheu S. José para Pai adoptivo, um pai que cuida do sustento, que vela pela segurança, e que ama assim como a Mãe! 

Assistimos a tantos divórcios, uns de perto, outros ,mais longe... mas quem perde sempre, são as crianças! A criança, nunca vai querer saber, se a pensão de alimentos é paga ou não, nunca vai se importar com o que vai comer, vestir ou calçar... porque à criança, só importa saber que o seu pai e mãe, a amam de verdade. Só importa à criança, saber quem lhe vai contar a história ao deitar, quem a vai pegar ao colo quando está doente, quem lhe vai dar beijinhos e abraços...

Porque continuamos então, a brincar com a vida das crianças?

1 comentário:

Eduardo E Leda disse...

Maravilhoso texto, e uma triste verdade, infelizmente estamos vivendo em um mundo que esta se tornando cada vez mais, cinza, sem cor, sem alegria, a alegria que vem de Deus, que vem de um sorriso de criança, inocente sem interesse. Precisamos orar cada vez mais por todas as famílias do mundo inteiro.